quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Cotas raciais - o novo apartheid

Case com alguém com a pele mais escura que você, assim seus filhos terão mais oportunidades na vida com as cotas raciais, a meu ver, o novo apartheid.

Como no Brasil as políticas sociais são oportunistas e imediatistas para angariar mais e mais votos e não realizadas com estudo social e pesquisa à população, vejo com receio mais essa medida polêmica da Presidente Dilma, seguindo entendimento do Partido dos Trabalhadores de cotas raciais para o funcionalismo público.

As cotas em universidades, por exemplo, em tese foram instituídas para tentar diminuir a desigualdade social relativamente sobretudo à população negra, que em tese teve menos oportunidades na vida, ainda com resquícios da época da escravatura. Parece uma boa intenção...parece.

A meu ver as cotas deveriam ser sócio-econômicas e não baseadas na cor da pele, mas isso já é uma realidade há anos.

Diante disso mostrou-se imperioso investir na educação pública básica (para negros, índios, brancos e etc...ou seja, todos que não possuem condições de pagar por ensino privado) e então o que é feito em todo Brasil pelo PT para melhorar nosso IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do qual a educação é importante indicador? Adivinhem: a aprovação automática!!!

Ou seja, o que buscou-se "consertar" na faculdade, nunca terá fim, pois, se os pobres são aprovados automaticamente, não passarão nas universidades. Os pobres. Mas dos pobres, os negros terão mais chances, pois existem as cotas raciais. Já os brancos pobres, estes serão condenados a serem pobres e sem oportunidades o resto da vida.

O que o governo do PT faz é irresponsável, isso porque não há que se chamar os negros de "minorias desfavorecidas", primeiro, porque os negros são maioria no Brasil e segundo, quem não são favorecidos são os pobres, independente de cor!

Condicionar o acesso à vagas em universidades e cargos públicos ao critério da pigmentação da pele é uma atrocidade, um verdadeiro retrocesso, considerando a ausência de políticas públicas que visem amenizar ou extinguir a desigualdade de acesso à educação e oportunidades de trabalho no início da fase educacional. Muito pelo contrário, a aprovação automática, regra em todo o Brasil, cuida de haver mais e mais desigualdade no futuro.

A Dilma e o PT buscam somente favorecer uma "minoria" que é maioria no país...adivinhem o motivo.


A sociedade ao invés de evoluir, regride e impõe ao nascimento do ser humano, de acordo com sua cor, seu direito às oportunidades.


Nenhum comentário:

Postar um comentário